Tecnologia nuclear vai permitir a esterilização de alimentos e outros produtos


Assessoria de Imprensa

A Amazul, empresa criada para dar suporte tecnológico ao Programa Nuclear Brasileiro,  vai promover a criação de centros de irradiação no Brasil com o objetivo de fornecer tecnologias nucleares destinadas à esterilização de alimentos, medicamentos e outros produtos e insumos. O projeto será detalhado pelo diretor-presidente da empresa, Antonio Carlos Soares Guerreiro, em palestra no 11º Seminário Internacional de Energia Nuclear (SIEN 2020), no dia 29 de outubro, às 12h. A Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. - é uma das patrocinadoras do SIEN 2020, que será realizado em versão 100% online, de 28 a 30 de outubro.

Segundo Guerreiro, um dos clientes potenciais dos centros de irradiação é o agronegócio, que representa cerca de 25% do PIB brasileiro e respondeu por 43% das exportações brasileiras em 2019. A irradiação elimina bactérias e microorganismos prejudiciais à saúde e aumenta o período de conservação dos alimentos, trazendo ganhos de produtividade para a cadeia de produção. “Para se ter uma ideia do potencial de negócio basta lembrar que o Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do planeta e poderá, com a tecnologia da irradiação, aumentar as exportações dos produtos”, diz Guerreiro.

O interesse por esta tecnologia tem aumentado desde a criação de um Grupo Técnico para tratar do tema no âmbito do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI-PR), sob a liderança do Ministério da Agricultura e com a participação de diversos órgãos do governo. Representantes de setores produtivos ficaram interessados em utilizar esta tecnologia, que não é nova, mas pouco utilizada no País.

O primeiro passo é a identificação de fornecedores de equipamentos. A ideia, segundo Antonio Guerreiro, é fazer uma chamada pública internacional para oferta de equipamentos e sistemas de irradiação, na qual serão selecionadas as melhores soluções para cada tipo de emprego da irradiação. A Amazul, mediante aporte de recursos do cliente final, fará o projeto de engenharia, o licenciamento radiológico e a contratação da empresa responsável pela construção, montagem e comissionamento dos equipamentos, bem como a fiscalização do empreendimento, até a entrega ao usuário final. Após a seleção dos fornecedores, serão divulgadas as condições gerais para os interessados do setor produtivo em obter as instalações.

O Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), órgão ligado à Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), é responsável pela introdução da tecnologia no país e dará o apoio técnico ao projeto.

               Quem é a Amazul

A Amazul foi constituída, em 2013, para promover, desenvolver, absorver, transferir e manter as tecnologias necessárias ao Programa Nuclear da Marinha (PNM), Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) e Programa Nuclear Brasileiro (PNB). Dentro do PNM, atua no projeto para construir, comissionar e operar um protótipo de reator nuclear de potência, totalmente nacional, e para aumentar a produção de combustível nuclear.

               Em relação ao Prosub, ajuda a desenvolver tecnologias como o Sistema Integrado de Gerenciamento de Plataforma e o Sistema de Combate de Submarinos. A empresa também desenvolve projetos para prevenir e tratar doenças e melhorar a qualidade de vida de milhões de pacientes. Em parceria com a CNEN,  projeta o Reator Multipropósito Brasileiro, voltado para pesquisa e a produção de matéria prima para a fabricação de radiofármacos usados no diagnóstico e no tratamento do câncer.

 SIEN 2020

 Em sintonia com os protocolos de segurança impostos pela COVID-19, o SIEN 2020 será 100% online. Com isso, deverá congregar um número ainda maior de participantes. A edição 2020 do SIEN reunirá cerca de 25 palestrantes, durante dois dias de realização, e outros 14 debatedores no fórum sobre comunicação, evento que era realizado à parte, mas que este ano será incorporado ao seminário internacional.

O evento terá como tema central o novo modelo de negócios para a retomada de Angra 3, além da perspectiva de construção de até oito novas usinas nucleares até 2050, dentro do Plano Nacional de Energia (PNE). Os investimentos previstos são da ordem de US$ 50 bilhões em um período de 30 anos.

 O SIEN 2020 é uma realização da Casa Viva Eventos Ambientais e conta com a parceria e o monitoramento de mídia da PressWay.

.

Informações  siennuclear@gmail.com / casavivaoperacional@gmail.com / inscricao.planeja@gmail.com e/ou pelo tel.: (21) 3301-3208.